Bruna Antonelli
  • São Paulo
  • Brasil
Comparti(lha)r en(m) Facebook Comparti(lha)r
  • Blog Posts
  • Discusiones | Tópicos
  • Eventos
  • Grupos (1)
  • Fotos
  • Álbumes de fotos | Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Los contactos de Bruna Antonelli

  • Sarah Elisa Viana
  • Marcos Lima de Moraes
  • Alexandre Molina
  • Ana Rizek Sheldon
  • Nirvana Marinho
  • Javier Basaldua
  • Cuca Dias
  • Manoel Moacir
  • Talma Salem
  • Acervo Mariposa
  • wanderson  aàker
  • Natália Valério
  • Wagner Carvalho
  • Ilana Elkis
  • Leônidas Portella

Grupos de Bruna Antonelli

 

Página de Bruna Antonelli

Perfil

Sitio/website:
http://www.acervomariposa.com.br
Pais
Brasil
Ciudad
São Paulo
E-mail:
bruna@acervomariposa.com.br
Tipo de organizacion | Tipo de organização
Fundacion|Fundação

Sobre memórias e obsessões

Sobre memórias e obsessões
Bruna Antonelli e Cuca Dias*
*Bruna Antonelli é coordenadora e gestora cultural do Acervo Mariposa e Cuca Dias é produtora executiva.

Escrito para a revista DCO (México) Danza, Cuerpo e Obsesión N°12 – Tradición
http://revistadco.blogspot.com

Sobre memórias e obsessões
Bruna Antonelli e Cuca Dias

Por que um acervo em dança?
O que um acervo em dança pode promover a respeito de informações?
A existência física de um acervo é o suficiente para manter vivo um material?
É possível transformar informações armazenadas em conhecimento?
Se já não podemos mais olhar para a memória como simplesmente um conjunto de gavetas onde são guardadas informações, acumulando o conhecimento, algo nos diz que um acervo em dança também não pode ser só isso. Optamos então, por ao invés de acúmulo, uma rede de conexão; ao invés de informações somadas, contato umas com as outras, ganhando novas possibilidades de existência. Fazer da história um objeto presente. Construir um patrimônio coletivo e compartilhado. Desejos que perseguimos obsessivamente.
Este artigo divide com o leitor alguns desses desejos e obsessões (influenciado pelo nome da revista, confessamos), a respeito da experiência e das idéias que estamos construindo e que acreditamos para um acervo em dança.
O Acervo Mariposa é uma videoteca especializada em dança, sem finalidade lucrativa, que gerencia o acesso gratuito de vídeos digitalizados de dança para o público em geral, localizado na cidade de São Paulo, Brasil.
Para o Acervo, a proposta de reunir, arquivar, armazenar vídeos de dança (registro de espetáculo, videodança, documentários, etc), não prevê que o trabalho de um artista fique “engessado” na parede a espera que algum dia, em algum momento, alguém resolva assistir o seu trabalho.
Partindo da premissa de que dança é produção de conhecimento e que um vídeo de dança pode gerar conhecimento, uma pergunta nos perseguia: como possibilitar o acesso a vídeos de dança para um maior número de pessoas e permitir que o mesmo chegue a muitos lugares?
A resposta que tivemos foi: Copyleft.
Decidimos então, disponibilizar nosso material dentro da licença Creative Commons, que é uma ferramenta internacional de licenciamento de direitos autorais, onde o próprio autor decide como sua obra pode ser utilizada por terceiros e escolhe quais licenças melhor se adaptam ao seu trabalho, sendo que em todas elas, a propriedade intelectual do autor (autoria) é sempre preservada.
“Ao invés de todos os direitos reservados, alguns direitos reservados”
Sendo assim, um vídeo dentro do Acervo Mariposa, uma vez doado pelo artista e assinado o termo de autorização (Copyleft), encontra em nossas atividades educativas uma forma de circulação e difusão que dinamiza o uso e acesso à videoteca. Ele pode, portanto, ser doado para outros acervos (Parcerias), exibido em Mostras (V.H.S.), fazer parte de festivais (Mariposa nos Festivais) e adentrar as Universidades (Sobredança).
Alguns desejos saciados.

E o que isso diz da memória e futuro da dança?

Imersas nesse ambiente e depois de muitas conversas com a equipe que representa o Creative Commons aqui no Brasil, outras reflexões e conseqüentemente outros desejos vieram. Esse pessoal têm nos provocado dizendo que o único modo de tentar tornar a dança um pouco menos elitista e fazer com que ela saia do seu palácio de cristal, é a difusão, e que os vídeos são uma ótima ferramenta para isso.
Um vídeo, de maneira nenhuma, substitui a dança no corpo, o artista ou o acontecimento cênico, a exemplo de bandas que disponibilizam suas músicas na internet e ainda assim seus shows têm casa lotada.
Hoje, novas maneiras de registrar a dança nos mostram novas maneiras de olhar para a dança. O videodança está aí para provar isso! A tecnologia influencia a maneira de ver e fazer dança: muitos coreógrafos a utilizam como registro, como vídeocenografia; quem hoje não tem uma câmera em casa? Para um acervo, a internet pode, inclusive, permitir concatenar informações, estabelecer novas relações. Tais possibilidades tecnológicas sinalizam outra maneira de gerir um acervo em dança e, portanto, outro modo de dinamizar a memória. Tecnologia não está só a serviço da memória da dança, mas sim pode torná-la mais presente. Se nosso objetivo é tornar a dança mais acessível e assistida por um maior número de pessoas, por que não usar e aperfeiçoar um acervo para este fim.
Por exemplo: assisto a um vídeo de dança na internet, juntamente com o vídeo está disponibilizada também sua ficha técnica; descubro o nome do coreógrafo, este nome possui um link para outros trabalhos que ele tenha realizado; que por sua vez me leva para navegar em uma dissertação sobre o trabalho dessa Cia, que possui outro link que me leva ao termo “dança contemporânea” no Wikipédia; para finalizar participo deixando minhas impressões no blog.
Esta é a mais atual obsessão do Acervo Mariposa.
Iluminar o conhecimento em dança é torná-lo acessível; isso é fácil de concordar. Mas, como fazer isso é um desafio que move um projeto como esse. Nosso desejo é que outros projetos com o mesmo movimento tornem-se parceiros, pois memória não se constrói com um corpo só.

Para conhecer mais:
www.acervomariposa.com.br
www.creativecommons.org.br
Copyleft em dança: possibilidades de difusão e Dança e Copyleft no palácio de cristal por Nirvana Marinho em: www.culturaemercado.com.br
Referências bibliográficas:
GREINER, Christine. O registro da dança como pensamento que dança. D´Art, São Paulo, v. 04, p. 38-43, 2002.
_________. O corpo – pistas para estudos indisciplinares. Annablume,2005.
KATZ, Helena. Um, dois, três. A dança é o pensamento do corpo. Fid editorial,2005.


Comentarios

Necesitas ser un miembro de movimiento | movimento para añadir comentarios! | É preciso ser membro de para incluir comentários

Participar en movimiento | movimento

  • ¡No hay comentarios todavía! | Sem comentários por enquanto!
 
 
 

Danza y cultura en red | Dança e cultura em rede

Este es un proyecto  de

Marlon Barrios Solano

Creada por la Red Suramericana de Danza en asociación con idanca.net y Associação Cultural Panorama | Criada pela Red Sudamericana de Danza em parceria com idanca.net e Associação Cultural Panorama.

This network is maintained and administrated by Marlon Barrios Solano as an independent art/curatorial/social innovation project.

You can donate to support my work here:

WOULD YOU LIKE MAKE A ONE TIME DONATION?

Become my patron:

Become a Patron!


Support  making a single donation of any amount.
Thank you!

Contact:

marlon@dance-tech.net

for more information

YOU MAY DONATE BITCOIN HERE

WALLET

38rswPwwQB67cbe8z1E72PhtQCM1umpyjK

© 2021   Creado por Red Sudamericana de Danza.   Tecnología de

Emblemas | Badges  |  Reportar problema  |  Términos de servicio